BMG encerra parceria com a Warner ADA, entenda o caso

Thomas Coesfeld CEO da BMG
Thomas Coesfeld CEO da BMG

A indústria da música está sempre em constante evolução, e recentemente, uma mudança significativa chamou a atenção. A BMG, uma das grandes gravadoras, anunciou o fim de sua parceria de distribuição digital com a Warner ADA. Essa decisão marca uma virada importante na estratégia de distribuição da BMG. Entenda os detalhes dessa mudança e o que isso significa para a BMG.

A parceria em questão

Por anos, a BMG manteve uma parceria com a Warner ADA (Alternative Distribution Alliance), uma divisão da Warner Music Group, para distribuir sua vasta biblioteca de música digital. Essa parceria abrangia cerca de meio milhão de faixas do catálogo da BMG, com a taxa anual de streaming superior a 80 bilhões de streams este ano. No entanto, a BMG recentemente decidiu encerrar essa parceria e trazer a distribuição digital internamente.

As razões por trás dessa mudança estratégica da BMG são diversas. Uma das principais motivações é a busca por maior controle e flexibilidade sobre o processo de distribuição digital. Ao trazer a distribuição internamente, a BMG pode personalizar suas estratégias de lançamento, direcionando-as de acordo com suas necessidades específicas e as demandas de seus artistas.

“Este é um novo capítulo para o BMG e marca um marco significativo para a indústria musical em geral, à medida que o BMG se torna a primeira nova empresa musical de serviço completo em escala global a surgir nas últimas duas décadas, que controla seus principais rotas para o mercado. Assumir o controle direto de nossos relacionamentos com serviços de streaming é um grande avanço em nossa missão de oferecer aos artistas o serviço mais eficaz e eficiente. A nova configuração nos permitirá comercializar, atender e aconselhar melhor nossos grandes artistas e melhorará ainda mais o relacionamento do BMG com os principais parceiros digitais e físicos.”

Thomas Coesfeld, CEO da BMG

Além disso, a BMG busca maximizar sua participação nas receitas geradas pelas plataformas de streaming e venda de música digital. Com a distribuição interna, a BMG pode otimizar seus acordos de streaming e manter uma porcentagem maior das receitas geradas pelas transmissões de suas músicas.

A decisão é um movimento que diz muito sobre o modelo de gestão. Ressaltando a importância do controle sobre a distribuição digital. À medida que a indústria da música continua a se adaptar ao cenário digital, as gravadoras estão buscando maneiras de maximizar suas receitas e estratégias de marketing por meio da distribuição direta.

Conclusão

A decisão da BMG de encerrar sua parceria com a Warner ADA marca uma mudança significativa na estratégia de distribuição da gravadora. Ela reflete a busca por maior controle e flexibilidade na distribuição digital e a maximização das receitas geradas pelas plataformas de streaming. À medida que a indústria da música continua a evoluir em direção ao cenário digital, essa mudança pode influenciar outras gravadoras a reconsiderarem suas próprias parcerias de distribuição. No final das contas, essa mudança da BMG destaca a importância do controle direto sobre a distribuição digital como uma estratégia cada vez mais relevante para as gravadoras no cenário musical atual.